Arquidiocese de Braga acompanha cristãos divorciados recasados

| 2017-11-09

Uma resolução aprovada no Conselho Presbiteral, onde foram definidas orientações para a renovação da Pastoral Familiar.

A Arquidiocese de Braga vai constituir um grupo para o acompanhamento dos cristãos divorciados recasados. Estando a ponderar a possibilidade de acesso aos sacramentos “de acordo com um processo de discernimento individual”.

Uma resolução aprovada no Conselho Presbiteral, onde foram definidas orientações para a renovação da Pastoral Familiar.

Este grupo, composto por leigos e sacerdotes, terá como missão acompanhar os divorciados que vivem em nova união.

O objetivo é “integrar a pessoa na comunidade cristã após um verdadeiro processo de discernimento que conduzirá a uma conversão, um trabalho sério da consciência”

“Para além de informar e aconselhar sobre processos de declaração de nulidade do matrimónio, a equipa irá acompanhar cada caso, para que após um processo de discernimento pessoal seja reavaliado o acesso aos sacramentos e a possibilidade de virem a ser padrinhos/madrinhas”, adianta uma nota publicada pela Arquidiocese de Braga.

Na sua exortação apostólica sobre a família “Amoris Laetitia” publicada em 2016, o Papa Francisco propõe um caminho de “discernimento” para os católicos divorciados que voltaram a casar civilmente, sublinhando que não existe uma solução única para estas situações.

“Há que evitar dar a entender que se trata de uma ‘autorização’ geral para aceder aos sacramentos. De facto, trata-se de um processo de discernimento pessoal, no foro interno, acompanhado por um pastor com encontros regulares, que ajuda a distinguir adequadamente cada caso singular à luz do ensinamento da Igreja”, pode ler-se no documento intitulado ‘Construir a Casa sobre a Rocha’.

No documento, composto por algumas linhas orientadoras para a aplicação da Exortação Apostólica ‘Amoris Laetitia’, é ainda reforçada a importância e responsabilidade da Pastoral Familiar na preparação matrimonial e no acompanhamento dos casais nos primeiros anos de vida conjugal. 

(Com Agência Ecclesia) 

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter