Bispo da Guarda lamenta falta de apoio às famílias atingidas por incêndios de outubro

| 2017-12-14

O bispo da Guarda diz que é necessário questionar quem está mais habilitado para fazer a avaliação destas situações

D. Manuel Ilídio (Foto: RR)

O bispo da Guarda, D. Manuel Felício, na divulgação da sua mensagem de Natal, lamentou a falta de resposta às vítimas dos incêndios de outubro, que provocaram várias mortes e elevados danos materiais na região.  

“Compreendemos, é certo, que se dê atenção prioritária às empresas afetadas pelos incêndios, das quais depende o emprego de muita gente. Mas, em contrapartida, custa-nos a compreender que serviços estatais  como os que operam  na agropecuária e na floresta,  continuem  quase indiferentes  aos dramas de muitas famílias que perderam tudo”, denunciou D. Manuel Felício, em conferência de imprensa.

Porém o bispo questionou o centralismo e o distanciamento das instâncias decisoras.

“Vimos algum distanciamento dos poderes instituídos, tentando responder com medidas gerais a situações muito díspares, que por isso precisavam de respostas diferentes”, lamenta, no texto enviado à Agência ECCLESIA.

O bispo da Guarda diz que é necessário questionar quem está mais habilitado para fazer a avaliação destas situações e avaliar como podem ser “devidamente resolvidas”.

“A resposta só pode ser uma: pessoas e instituições que estão próximas e não o centralismo da administração pública, como aconteceu e está acontecer”, sustenta.

(Com Agência Ecclesia) 

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter