D. Gilberto Reis diz que Bispo emérito “conquistou Corações”

| 2017-09-26

O funeral realiza-se hoje

D. Manuel Martins

D. Gilberto Reis que assumiu o lugar de bispo de Setúbal em 1998, para suceder a D. Manuel Martins recordou, em entrevista, à Agência Ecclesia que o Bispo “conquistou o coração” das pessoas com “grande amor à Igreja e a Jesus Cristo”.

D. Gilberto admitiu que foi “uma graça” ser o seu sucessor, que foi o primeiro bispo responsável pela diocese sadina e quue faleceu, no domingo, aos 90 anos de idade.

D. Manuel Martins tinha uma “grande lucidez de pensamento ao ver as situações humanas, sociais e políticas”, sublinhou D. Gilberto Reis. E acrescenta que foi um homem de “grande sensibilidade e afeto” que encontro na península sadina uma situação “difícil”.

O corpo de D. Manuel Martins está em câmara ardente no Mosteiro de Leça do Balio, sua terra Natal, e será sepultado no cemitério localizado junto ao mosteiro, satisfazendo assim, um pedido do próprio.

D. Manuel Martins nasceu a 20 de janeiro de 1927, em Leça do Balio, concelho de Matosinhos; foi ordenado sacerdote em 1951, após a formação nos seminários do Porto, seguindo-se a frequência do curso de Direito Canónico na Universidade Gregoriana, em Roma.

Foi pároco de Cedofeita, no Porto, entre 1960 e 1969, quando foi nomeado vigário-geral da diocese nortenha em 1969, antes ir para Setúbal.

A 23 de abril de 1998, o Papa João Paulo II aceitou o seu pedido de resignação ao cargo de bispo de Setúbal.

O bispo emérito foi agraciado com a grã-cruz da Ordem de Cristo, durante as comemorações do 10 de junho de 2007, em Setúbal, e com o galardão dos Direitos Humanos da Assembleia da República, a 10 de dezembro de 2008.

(Com Agência Ecclesia) 

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter