Igreja desaconselha admissão de homossexuais nos seminários

| 2017-11-17

Bispos vão elaborar Ratio para Portugal sobre formação sacerdotal

D. Manuel Clemente

A Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Portuguesa refletiu sobre a nova Ratio Fundamentalis Institutionis Sacerdotalis, da Congregação para o Clero e considera que “Humanidade, espiritualidade e discernimento são palavras-chave neste documento” no que diz respeito à formação de Sacerdotes, que segundo os bispos portugueses, devem firmar “discípulos missionários”. Porém salientam que, na base desta formação devem estar, “quatro características distintivas da formação: única, integral, comunitária e missionária. A formação no seminário maior inclui quatro etapas: propedêutica, estudos filosóficos (ou do discipulado), estudos teológicos (ou da configuração), pastoral (ou síntese vocacional)”.

Apesar de a Assembleia fazer saber que continuará a refletir sobre esta matéria confiou à Comissão das Vocações e Ministérios, em coordenação com os formadores dos seminários, a elaboração da Ratio para Portugal, para posterior aprovação.

Contudo, na conferência de imprensa, de encerramento, desta Assembleia Plenária, D. Manuel Clemente, Cardeal-Patriarca de Lisboa disse que a Santa Sé recomenda que os jovens homossexuais não devem ingressar no seminário.  

E sublinhou que “Tem havido sucessivos documentos da parte da Congregação para o Clero nesse sentido de desaconselhar vivamente, para não dizer proibir, que um jovem que manifeste essa orientação homossexual ingresse no seminário. Seria sempre muito melindroso. É melhor não avançar. Não só é melhor, é completamente desaconselhável”.

D. Manuel Clemente considera que, nesta matéria, “não é preciso tomar mais medidas do que aquelas que já estão previstas”, sublinhando que “cada vez mais há um acompanhamento psicológico das vocações”.

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter