Jornadas Locais das Escolas Católicas realizam-se a 24 de fevereiro

| 2018-02-05

O tema escolhido, «Semeadores da Esperança» reflete sobre a recente Carta Pastoral da Conferência Episcopal

O Colégio de Nossa Senhora da Boa Nova, no Patriarcado de Lisboa, vai acolher a nova etapa das Jornadas Locais das Escolas Católicas, a 24 de fevereiro, numa iniciativa, da responsabilidade do Departamento das Escolas Católicas (DEC) do Secretariado Nacional da Educação Cristã (SNEC).

Estas jornadas surgem, após a realização das I Jornadas Interdiocesanas das Escolas Católicas que decorreram nas dioceses de Setúbal, Porto, Viseu e Leiria-Fátima cujo balanço é muito positivo: "Na primeira iniciativa do género, no ano passado, estivemos em quatro dioceses onde reunimos mais de 600 professores de mais de 100 escolas católicas de todo o país", recorda Elisa Urbano coordenadora nacional do DEC.

O tema escolhido, «Semeadores da Esperança» reflete sobre a recente Carta Pastoral da Conferência Episcopal para o setor da Educação Cristã:

"É missão da escola católica que todos os momentos de formação, convívio e partilha, sejam para os nossos educandos verdadeiras experiências de encontro com a Pessoa de Jesus Cristo. Só este encontro pessoal transforma o olhar sobre os outros, sobre o mundo, sobre a vida. Então, estaremos a educar verdadeiros cristãos, construtores de uma sociedade cada vez mais divina porque mais humana", sustenta Elisa Urbano.

Em destaque vai ainda estar o recente documento da Congregação para a Educação Católica, «Educar ao Humanismo Solidário - para construir uma civilização do amor».

Esta edição, de 24 de fevereiro de 2018, destina-se às Escolas Católicas das dioceses do Algarve, Beja, Setúbal e ao Patriarcado de lisboa e Arquidiocese de Beja.

D. Joaquim Mendes, bispo auxiliar de Lisboa vai proferir uma pequena palestra sobre o tema em análise, às 10h15. Pelas 11h00 a atividade «Youtuba a tua Escola» apresenta pequenos vídeos, de 3 minutos, realizados pelos alunos nas suas escolas. Da parte da tarde alunos e professores trabalham em grupos acerca das «ousadias», proposta da formação. 

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter