Papa apela ao combate do vírus da indiferença e do medo

| 2017-12-09

O Papa recomendou aos católicos que cultivem os “anticorpos que vêm do Evangelho

A cerimónia de homenagem à Imaculada Conceição, no centro de Roma, foi presidida pelo Papa Francisco que referenciou “os vírus da indiferença e do medo na sociedade contemporânea.

Perante a imagem da Virgem Maria que está na Praça de Espanha, o Papa proferiu a oração agradecendo a Nossa Senhora todo o cuidado constante com que acompanha “o caminho das famílias, das paróquias, das comunidades religiosas; o caminho daqueles que todos os dias, e com muito esforço, atravessam a cidade de Roma para trabalhar, o caminho dos doentes, idosos e todos os pobres, e os imigrantes aqui, provenientes de terras de guerra e fome”.

O Papa recomendou aos católicos que cultivem os “anticorpos que vêm do Evangelho”

A 8 de dezembro de 1854, Pio IX declarou o Dogma da Imaculada Conceição, na Bula “Ineffabilis Deus”.

Três anos mais tarde, em 8 de dezembro de 1857, o mesmo Papa abençoou e inaugurou o monumento da Imaculada na Praça de Espanha.

O Papa Francisco repetiu a homenagem prestada pelos seus predecessores, visitando antes a Basílica de Santa Maria Maior, onde costuma rezar antes e depois das viagens pontifícias, diante da imagem da Virgem Maria, ‘Salus Populi Romani’.

Antes de regressar ao Vaticano, o pontífice visitou ainda a Basílica de Sant’Andrea delle Fratte para uma homenagem a Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, 175 anos após uma aparição considerada miraculosa ao italiano Alfonso Ratisbonne, que se converteu ao catolicismo após a mesma.

“Virgem Imaculada, há 175 anos, perto aqui, na igreja de Sant’Andrea delle Fratte, tocastes o coração de Afonso de Ratisbonne, que naquele momento, de ateu e inimigo da Igreja, se tornou cristão”, tinha recordado o Papa na Praça de Espanha.

(com Agência Ecclesia)

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter