Papa aponta a misericórdia como a “grande novidade” do Cristianismo

| 2017-10-09

“O Cristianismo não é tanto uma soma de preceitos e normas morais, mas é acima de tudo uma proposta de amor que Deus"

Papa Francisco (Foto: Lusa)

O Papa Francisco, na oração do Angelus, apresentou a “misericórdia” de Deus como a “grande novidade do Cristianismo” e por isso, perante centenas de pessoas, presentes na praça de São Pedro, no Vaticano, convidou os Cristãos a olhar verdadeiramente para a misericórdia, como algo que é mais do que uma “soma de preceitos e normas morais”.

O Santo Padre ainda reforçou que “A desilusão de Deus pelo comportamento malévolo dos homens não é a última palavra! Está aqui a grande novidade do Cristianismo: um Deus que, ainda que desiludido pelos nossos erros e os nossos pecados, não falha à sua palavra, não trava e, sobretudo, não se vinga”.

Falando da dimensão “nova e original” do Cristianismo sublinhou que “O Cristianismo não é tanto uma soma de preceitos e normas morais, mas é acima de tudo uma proposta de amor que Deus, através de Jesus, fez e continua a fazer à humanidade”.

Tendo por base a parábola dos Vinhateiros que assassinam o filho do dono da vinha para roubar, que foi a passagem do Evangelho, deste domingo, o Papa adiantou que o “único impedimento” a esta vontade “terna de Deus é a arrogância” do Ser Humano que, por vezes, se transforma “em violência”.

Portanto, o Sumo Pontífice clarificou que “Somos chamados a sair da vinha para nos colocarmos ao serviço dos irmãos que não estão connosco”, observou, desafiando os cristãos a marcar presença em todos os ambientes, incluindo os “mais longínquos e desconfortáveis”, as “periferias da sociedade”.

Após a oração do ângelus, o Papa recordou a beatificação do padre italiano Arsénio da Trigolo, fundador das Irmãs de Maria Santíssima Consoladora, numa cerimónia que decorreu este sábado, em Milão.

 

 

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter