Papa contesta «retórica» do medo e da xenofobia

| 2017-11-24

O Dia Mundial da Paz foi instituído pelo Papa Paulo VI (1897-1978) e é celebrado no primeiro dia do novo ano.

Papa Francisco

O Papa Francisco contesta a retórica do Medo e da Xenofobia perante os migrantes e refugiados, na mensagem para o Dia Mundial da Paz que será assinalado, no dia 1 de Janeiro de 2018 e que o Vaticano divulgou hoje.

O Texto intitula-se “Migrantes e Refugiados: homens e mulheres em busca de Paz” e refere que "Quem fomenta o medo contra os migrantes, talvez com fins políticos, em vez de construir a paz, semeia violência, discriminação racial e xenofobia".

Francisco também lamenta que em muitos países de destino se tenha generalizado a "retórica que enfatiza os riscos para a segurança nacional ou o peso do acolhimento dos recém-chegados, desprezando assim a dignidade humana que se deve reconhecer a todos, enquanto filhos e filhas de Deus”.

E ainda adianta que “Todos os elementos à disposição da comunidade internacional indicam que as migrações globais continuarão a marcar o nosso futuro. Alguns consideram-nas uma ameaça. Eu, pelo contrário, convido-vos a vê-las com um olhar repleto de confiança, como oportunidade para construir um futuro de paz”.

A mensagem analisa as várias causas das migrações, desde conflitos armados e outras formas de violência organizada à busca de uma vida melhor, além da fuga da “miséria agravada pela degradação ambiental”.

No mesmo texto é referido que “A maioria migra seguindo um percurso legal, mas há quem tome outros caminhos, sobretudo por causa do desespero, quando a pátria não lhes oferece segurança nem oportunidades, e todas as vias legais parecem impraticáveis, bloqueadas ou demasiado lentas”.

O Papa convida a um olhar “contemplativo” sobre esta realidade, a fim de descobrir nos migrantes e refugiados pessoas que “trazem uma bagagem feita de coragem, capacidades, energias e aspirações, para além dos tesouros das suas culturas nativas”.

“Este olhar contemplativo saberá, enfim, guiar o discernimento dos responsáveis governamentais, de modo a impelir as políticas de acolhimento até ao máximo dos limites consentidos pelo bem da própria comunidade retamente entendido, isto é, tomando em consideração as exigências de todos os membros da única família humana e o bem de cada um deles”, prossegue.

A mensagem para o 51.º Dia Mundial da Paz deixa votos de que os conflitos relativos à presença de migrantes e refugiados deem lugar a “canteiros de paz”.

O Dia Mundial da Paz foi instituído pelo Papa Paulo VI (1897-1978) e é celebrado no primeiro dia do novo ano.

 

 

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter