Papa dedica dia às vítimas da guerra

| 2017-09-08

O padre Pedro Maria Ramírez Ramos será beatificado

(Foto:Lusa)

O Papa Francisco já está em Villavicêncio, na Colômbia e evocou todas as vítimas do conflito armado que atingiu o país nas últimas décadas.

Ainda em Bogotá, no aeroporto militar, antes de partir para Villavicêncio, o Santo padre, saudou e abençoou um grupo de 400 veteranos de guerra, militares e agentes de política que estavam acompanhados pelo Bispo do Ordinariato Castrense, D. Fábio Suescún Mutis.  O Papa agradeceu-lhes “por tudo o que fizestes e fazeis pela paz, colocando a vida em perigo, foi isso que Jesus fez, pacificou-nos”.

A agenda pontifícia recorda os 8 milhões de vítimas da guerra civil, com uma “grande vigília” de oração pela reconciliação nacional, marcada para as 15h40 (21h40 em Lisboa) no Parque Las Malocas, em Villavicêncio, cerca de 120 km a sudeste de Bogotá, capital colombiana.

Os participantes vão evocar o sofrimento das famílias e comunidades afetadas pelo conflito armado, “marcado pelo sangue e a dor de mais de 8 milhões de vítimas”, adianta o Missal oficial da visita apostólica.

Em causa estão “984 507 homicídios, 166 407 desaparecidos, 16 340 assassinatos seletivos, 1982 massacres, 35 092 sequestrados, 19 684 vítimas da violência sexual, 6421 casos de recrutamento forçado e 12 000 amputados”.

O governo da Colômbia e os representantes do ELN acordaram um cessar-fogo bilateral, com início marcado para 1 de outubro.

Francisco vai beatificar o padre Pedro Maria Ramírez Ramos, diocesano, morto a 10 de abril de 1948 em Armero, na sequência da revolução do ‘9 de abril’, após o assassinato de Jorge Eliecer Gaitán, candidato à presidência da República.

(Com Agência Ecclesia)

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter