Papa diz que “mensagem de jesus é desconfortável e inconveniente”

| 2017-12-26

O Sumo Pontífice afirmou que é preciso remover dos corações “todo o conflito e ressentimento”

Neste dia em que a Igreja Católica festeja o primeiro mártir, Santo Estevão, o Papa Francisco, na Oração do Angelus que fez, na Praça de São Pedro disse que a “Mensagem de Jesus é desconfortável e inconveniente” porque “desafia o poder religioso mundano e provoca as consciências.

O Santo Padre referiu que “Após a sua vinda, é necessário converter-se, mudar a mentalidade, abandonar o pensamento anterior”. E depois explicou que Santo Estevão “permaneceu agarrado” à mensagem de Jesus até sua morte e as suas últimas orações tornaram-se fiéis às pronunciadas por Jesus na cruz: “Senhor Jesus, aceita meu espírito” e “Senhor, não lhes atribua esse pecado”.

“As palavras de Estevão só foram possíveis porque o Filho de Deus veio à terra, morreu e levantou-se por nós; antes desses eventos eram expressões humanamente impensáveis”, observou Francisco.

O Papa ainda realçou, perante milhares de pessoas, que quiseram marcar presença, neste encontro tradicional a seguir ao Natal, que Jesus é o Mediador e “reconcilia não só com o Pai”, mas também as pessoas porque é “a fonte do amor”.

O Sumo Pontífice afirmou que é preciso remover dos corações “todo o conflito e ressentimento” e salientou que os “ressentimentos são maus, magoam e jesus faz-nos amar uns os outros e este “é o milagre de Jesus”.

Neste contexto, o Papa disse para pedir a Jesus que “ajude a assumir essa dupla atitude de confiança no Pai e amor ao próximo” porque “transforma a vida e torna-a mais bonita, mais frutífera.”

No ângelus na festa do primeiro mártir, o pontífice realçou a ligação “muito forte” do nascimento ao céu do primeiro mártir com a celebração do nascimento de Jesus, esta segunda-feira.

“Santo Estêvão colocou os líderes do seu povo em crise, porque ‘cheio de fé e do Espírito Santo’, firmemente acreditava e professava a presença de Deus entre os homens. Ele sabia que o verdadeiro templo de Deus é agora Jesus”, explicou sobre o santo acusado de “pregar a destruição do templo de Jerusalém”.

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter