Papa quer uma comunidade cristã reflexo da Trindade

| 2017-06-11

São Paulo convida cristãos a serem felizes

Papa Francisco

O Papa Francisco apelou, neste domingo, na Oração do Angelus, para que “a comunidade cristã seja, apesar de todas as limitações humanas, o reflexo da Comunhão da Trindade, e da sua bondade e beleza”. Algo que só acontece quando temos a experiência “da misericórdia de deus e do Seu perdão”.

Tendo por base as leituras bíblicas, que nos ajudam a entrar no Mistério de Deus e nos recordam as palavras de São Paulo dirigia à comunidade de Corinto: “A Graça do Senhor Jesus Cristo, o Amor de Deus e a Comunhão do Espírito Santo estejam com todos Vós”, o que para o Santo Padre é o resultado da “Experiência pessoal do amor de deus, o amor que o Cristo ressuscitado revelou” a São Paulo. E acrescenta que por isso, ele “Transformou a sua vida e o empurrou para levar o Evangelho” pelo mundo fora. Uma experiência que levou São Paulo a exortar os cristãos para que “sejam alegres, emendem os seus caminhos, encorajem os outros e que vivam em paz”.

E voltando às leituras o Papa recorda os Judeus na jornada do Êxodo, quando o povo quebrou o pacto e Deus apareceu a Moisés na nuvem para renovar esse acordo, proclamando o seu nome e o seu significado. Dizendo "O Senhor, Deus misericordioso e compassivo, lento para a cólera e cheio de amor e fidelidade", o que significa que “Deus não está longe, nem a olhar para dentro, mas que é a vida que se que comunicar, é o amor que redime o homem da infidelidade. É o Deus "misericordioso", "compassivo" e "cheia de graça", porque nos oferece para superar nossas limitações e nossas falhas, para perdoar os nossos erros, para nos trazer de volta no caminho da justiça e da verdade”, refere o Sumo Pontífice. Ao mesmo tempo que destaca que nesta revelação “Deus veio ao seu cumprimento no Novo Testamento pela palavra de Cristo e sua missão de salvação. Jesus nos mostrou o rosto de Deus, um em substância e três em pessoas; Deus é tudo e só amor, numa relação subsistente que tudo cria, redime e santifica: Pai, Filho e Espírito Santo”.

O Papa Francisco reafirma que todos nós, tal qual Nicodemos, procuramos por Deus para nos entendermos com ele. Porém, lembrou que “Deus procura-nos sempre, mesmo antes de nós mesmos nos predispormos a procura-Lo”, porque “Ele ama-nos sempre” e acrescenta: "Deus amou tanto o mundo que deu o Filho, o Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. E questiona o que é a vida eterna? E com base no Evangelho de João Capítulo 3 versículo 16 responde que “É o amor imenso e gratuito do Pai que Jesus deu na cruz, oferecendo a sua vida para a nossa salvação. E este amor com o Espírito Santo, que irradiava uma luz nova sobre a Terra e em cada coração humano que o recebe; uma luz que revela os cantos escuros, as dificuldades que nos impedem de trazer os bons frutos de caridade e de misericórdia”.

Por fim o papa pediu à “ Virgem Maria para entrar cada vez mais, em todo o nosso ser, na Comunhão Trinitária, para viver e testemunhar o amor que dá sentido à nossa existência”.

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter