“Aqui ninguém Toca” para proteger as crianças

| 2017-11-14

Aumentar a consciência pública acerca da exploração e abuso sexual de crianças

A 18 de Novembro assinala-se o Dia Europeu para a Proteção das Crianças contra a Exploração Sexual e o Abuso Sexual, efeméride instituída pelo Conselho da Europa para alertar a população em geral para a realidade da violência sexual contra crianças.

Com este dia pretende-se fazer “reconhecer que esta é uma realidade que persiste, em muitas situações, invisível e silenciada porque ocorre, frequentemente no seio familiar ou relacional próximo e que afeta milhões de crianças em todo o mundo, não escolhendo país, género, etnia ou estrato social”.

Portanto é necessário “Aumentar a consciência pública acerca da exploração e abuso sexual de crianças e da necessidade de impedir tais atos”, assim como, “Facilitar a discussão aberta sobre a proteção das crianças contra a exploração e abuso sexual e ajudar a prevenir e a eliminar a estigmatização das vítimas”, além de “Promover a ratificação e a aplicação da Convenção de Lanzarote – um instrumento único, juridicamente vinculante que obriga os estados Europeus a criminalizar todas as formas de abuso sexual contra crianças”.

A Organização Mundial de Saúde define o abuso sexual como “uma interação de índole sexual em que está envolvida uma criança ou adolescente e em que esta ou este não compreende totalmente a natureza do ato em que se vê envolvido. Devido ao seu nível de desenvolvimento a criança/adolescente não está preparado para este nível de interação e por isso não dá o seu consentimento informado para o ato ou mesmo quando há um suposto consentimento a criança não tem uma verdadeira noção do que está a acontecer”.

A OMS também alerta que “Existem inúmeras formas de abuso mais ou menos “intrusivas” que podem ir desde a exposição a linguagem desapropriada, visualização de conteúdos pornográficos, assédio via internet ou redes sociais com vista ao abuso (grooming) até formas mais diretas e violentas como o toque em partes íntimas da criança, a coação da criança a fazer determinados procedimentos ao abusador até à violação propriamente dita”.

Por isso, é importante que os pais e educadores conheçam e expliquem aos filhos a regra “Aqui ninguém toca”.

Os estudos mundiais calculam que “os abusos sexuais perpetrados até aos 18 anos podem ir de 10 a 20%, o que significa que são abusadas 10 a 20 crianças”.

“A prevenção é a única forma de ajudarmos as crianças a defender-se destes verdadeiros predadores pelo que devemos todos proporcionar às nossas crianças alguns conceitos chave que as podem a ajudar a identificar uma situação desadequada, como por exemplo, o que são partes privadas do corpo, partes do corpo em que se pode ou não tocar, quem pode ou não tocar nessas partes e em que situação, o que são segredos bons e segredos maus, etc…”, salienta a OMS. 

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter