Hospital de Leiria pronto para a visita do papa

| 2017-05-10

Plano de emergência foi revisto por causa da visita papal

Centro Hospitalar de Leiria

O Hospital de Santo André, em Leiria está pronto para integrar a operação de prevenção e socorro que foi montada, para a visita do papa, a 12 e 13 de maio na Cova da Iria, Fátima.

Em comunicado a direção do Centro Hospitalar de Leiria (CHL) através da sua diretora Clínica, Elisabete Valente diz que está preparado “para qualquer acontecimento que possa trazer doentes aos nossos serviços de urgência”. A diretora aproveita para salientar que, neste contexto, é “essencial que os nossos utentes usem de forma correta as urgências, nomeadamente a Urgência Geral e a Urgência Pediátrica, de forma a não congestionar desnecessariamente os serviços, prejudicando o atendimento a casos realmente urgentes».

Por sua vez, no mesmo comunicado, Alexandra Borges, vogal do Conselho de Administração responsável pela coordenação do plano de emergência e catástrofe do Hospital de Santo André (HSA), avança que o plano já existe, mas que “foi revisto” devido à visita do Papa Francisco.

Uma advertência que surge, numa altura, em que os dados disponíveis mostram que o “mau uso das urgências é ainda uma realidade, com mais de 40% de utentes não urgentes”.

E também porque todos os cenários foram pensados, devido a esta visita papal, isto significa “Um acontecimento mais grave durante a vinda do Papa Francisco pode implicar o encerramento parcial da Urgência Geral, pelo que é essencial que as pessoas estejam preparadas para, em caso de necessidade, usarem a primeira linha dos cuidados de saúde, que passam pelo contacto com a Linha Saúde 24 e o recurso ao centro de saúde/médico de família”, afirma a diretora clínica.

E adianta que “a rede de referenciação de doentes está claramente definida a nível nacional, e inclui todos os prestadores de cuidados de saúde – os utentes, os profissionais de saúde, os cuidadores, os meios de socorro, etc. – em todos os níveis, com uma hierarquia clara tendo em conta a urgência das situações, e os meios de socorro, como os bombeiros e o INEM, encaminharão todas as situações que necessitarem de atendimento hospitalar”.

O que fazer?

No mesmo documento a direção do CHL esclarece que “Nos serviços de urgência, terão prioridade as emergências, ou seja, situações em que a vida do utente corra perigo (acidentes significativos, intoxicação, convulsões, etc.), as doenças súbitas (dor aguda, grande traumatismo, hemorragias, queimaduras, etc.), e os doentes referenciados (portadores de carta com pedido de observação efetuado pelo médico de família/assistente)”.

Perante isto é aconselhado que “Se não souber como deve proceder, o utente deve, antes de sair de casa contactar, por telefone, a Linha Saúde 24 através do número 808 24 24 24, para se aconselhar antes de se deslocar à urgência do hospital – se for necessário, o utente será devidamente encaminhado. Se precisar de ser visto por um profissional de saúde, o utente deve dirigir-se em primeiro lugar ao seu médico de família, no centro de saúde, ou ao seu médico assistente; caso não tenha sido possível ser observado pelo seu médico, deve recorrer à Consulta Aberta do seu centro de saúde, ou ao Serviço de Atendimento Prolongado (SAP)”.

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter