Parlamento aprova proposta do CDS-PP contra os atentados à liberdade religiosa

| 2017-04-21

O projeto de resolução n.º 775/XIII/2.ª que defende “uma actuação firme, ativa e global” de Portugal, “na defesa da liberdade religiosa”, foi aprovado em AR.

Asia News

A Assembleia da República (AR) aprovou a proposta de resolução do grupo parlamentar do CDS-PP que tem o propósito de salvaguardar a liberdade religeosa, em Portugal e no mundo.

São “muitos os exemplos” de perseguição e discriminação religiosa que se sucedem em pleno século XXI”, sublinhou Ana Rita Bessa, deputada do CDS-PP, durante a apresentação do projeto no Plenário. E acrescentou que "os cristãos” são uma das minorias mais “perseguidas” deste tempo, que vêem “os seus locais de culto restringidos ou destruídos, a sua identidade contestada ou ameaçada”.

O último relatório da Fundação Ajuda a Igreja que Sofre, um organismo solidário católico ligado à Santa Sé, alerta para um contexto gravíssimo em nações como o Afeganistão, a Arábia Saudita, Coreia do Norte, o Iraque, a Nigéria, a Síria e a Somália. Cerca de 600 milhões de cristãos foram constrangidos a agir contra a sua própria consciência” e “mais de 90 mil cristãos foram mortos por causa da sua fé”.

O grupo parlamentar do CDS-PP recorda que a liberdade religiosa é um “direito fundamental e corolário da dignidade humana, muitas vezes  esquecida nos debates e reflexões internacionais. São vidas humanas que estão em causa, muitas vezes, vítimas de violência e mesmo de “genocídio”, unicamente devido à sua opção religiosa ou crente.

Recentemente, no Parlamento Europeu, os partidos condenaram por unanimidade as atrocidades que estão a ser cometidas na Síria e no Iraque, por motivos religiosos, contra minorias cristãs ou yazidis.

 

 

 

 

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter