“Todos somos mendigos do Amor de Deus” diz o Papa

| 2017-11-19

Aos “olhos de Deus todos somos talentosos”

(Foto: Rádio Vaticano)

O Papa Francisco na Homilia da missa que celebrou na Basílica de S. pedro para quatro mil pobres de Roma, disse que “Todos nós somos mendigos do Amor de Deus que nos dá o sentido da vida e uma vida sem fim. Por isso, hoje, estendemos a mão para Ele a fim de receber os seus dons”.

Tendo por base o Evangelho, deste domingo, que nos lembra a parábola dos Talentos o Papa referiu que aos “olhos de Deus todos somos talentosos” porque “ninguém pode considerar-se inútil ou tão pobre que nada possa dar aos outros”. E adiantou que aos “olhos de Deus nenhum filho pode ser descartado e por isso confia uma missão a cada um de nós”.

O Santo Padre adiantou que tal qual um “pai amoroso e exigente Ele responsabiliza-nos e convida-nos através da parábola dos talentos a não nos comportarmos como o servo mau que recebeu o talento, enterrou-o e entregou-o depois tal e qual o recebera”.

E desta forma o Sumo Pontífice chamou a atenção para a atitude da “omissão” e referiu que “não devemos ser como esse servo que no fundo não fez nada de mal”. Porém relembrou “não fazer nada de mal não basta” porque Deus é um “Pai à procura de filhos, a quem confiar os seus bens e os seus projetos”. “E é triste quando o Pai do amor não recebe uma generosa resposta de amor dos filhos, que se limitam a respeitar as regras, a cumprir os mandamentos, como empregados na casa do Pai”, afirmou o Papa.

É verdadeiramente fiel a Deus aquele que não aceita deixar tudo como está e, por amor, arisca a vida pelos outros, não permanece indiferente, atitude que o Papa elucidou com estas palavras:

“E dizer não me diz respeito, não é problema meu, é culpa da sociedade  é passar ao largo quando o irmão está em necessidade, é mudar logo de canal quando um problema sério nos indispõe, é também indignar-se com o mal, mas sem fazer nada. Deus, porém, não nos perguntará se sentimos justa indignação, mas se fizemos o bem.”

Agradar a Deus significa conhecê-lo através da sua Palavra, e o Evangelho deste domingo recorda-nos que o Senhor diz que quando fazemos o bem aos pequeninos é a Ele que o fazemos.

Através do pobre Jesus bate à porta do nosso coração e pede-nos amor. Quando respondemos positivamente somos amigos fieis do Senhor. Deus tem em grande apreço a “mulher forte” que “estende os braços ao infeliz e abre a mão ao indigente” – disse Francisco indicando nesta atitude a verdadeira fortaleza: “Esta é a verdadeira fortaleza: não punhos cerrados e braços cruzados, mas mãos operosas e estendidas aos pobres, à carne ferida do Senhor”.

Francisco continuou afirmando que nos pobres manifesta-se a presença de Jesus entre nós, Ele que se fez pobre, por isso na fragilidade dos pobres há uma “força salvífica”. São eles que nos abrem o caminho para o Céu e nós temos o “dever evangélico” de cuidar deles e de o fazer não só dando o pão, mas repartindo com o eles o Pão da Palavra (…). “Amar o pobre significa lutar contra todas as pobres, espirituais e materiais”. O amor ao próximo é o que conta verdadeiramente. E temos diante de nós uma escolha – disse a concluir o Papa: “viver para ter tudo na terra ou dar para ganhar o Céu. Para o Céu, não vale o que se tem na terra, mas o que se dá e “quem amontoa para si não é rico em relação a Deus”. Então, sublinhou ainda o Papa: “não busquemos o supérfluo para nós, mas o bem para os outros , e nada de precioso nos faltará”. E rematou:

“O Senhor, que tem compaixão das nossas pobrezas e nos reveste dos seus talentos, nos conceda a sabedoria de procurar o que conta e a coragem de amar, não com palavras, mas com obras” 

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter