Congresso dos EUA aprova lei para apoiar cristãos vítimas de tentativa de genocídio no Iraque e Síria

| 2018-12-07

Entre os argumentos apresentados, está a alarmante redução do número de cristãos no Iraque nos últimos anos.

A Câmara dos Representantes do Congresso norte-americano aprovou, na passada semana, legislação que visa apoiar directamente as comunidades cristãs e yasidis vítimas de tentativa de genocídio pelos jihadistas no Iraque e na Síria.

Esta “Lei de Socorro e Responsabilidade do Genocídio do Iraque e Síria 2018”, que terá agora de ser assinada pelo presidente Donald Trump, é peremptória perante a necessidade de os Estados Unidos incluírem aquelas duas comunidades religiosas na assistência que deve ser prestada à região.

Além do apoio assistencial, esta lei aprovada pela Câmara dos Representantes prevê que os Estados Unidos possam ajudar ainda no plano judicial as autoridades de ambos os países, Iraque e Síria, de forma terem capacidade para investigar e levar à Justiça os responsáveis pelos actos de violência contra as minorias religiosas.

Esta lei, que mereceu desde logo o aplauso de instituições como os Cavaleiros de Colombo, Fundação AIS, Yezidi Human Rights Organization, e a Christian Solidarity Worldwide, entre outras, foi defendida pelo congressista Chris Smith como sendo uma peça fundamental para se evitar o desaparecimento da presença cristã nesta região do Médio Oriente.

Entre os argumentos apresentados, está a alarmante redução do número de cristãos no Iraque nos últimos anos. Como Chris Smith recordou, actualmente, a população cristã no Iraque é inferior a 250 mil pessoas, o que contrasta fortemente com os cerca de 1,4 milhões em 2002, ou os cerca de 500 mil em 2013, antes de se ter iniciado o bárbaro ataque dos jihadistas do auto-proclamado Estado Islâmico, autores de uma clara tentativa de erradicação da presença cristã na região.

Com esta aprovação, os Estados Unidos podem apoiar directamente o esforço que já está a ser desenvolvido a nível local por instituições de carácter religioso, como é o caso da Ajuda à Igreja que Sofre, especialmente no que diz respeito ao fornecimento de assistência humanitária, de recuperação de casas e de infraestruturas, e na identificação de todas as necessidades mais prementes destas comunidades religiosas minoritárias.

A aprovação desta lei é reveladora também de um claro compromisso por parte dos Estados Unidos na protecção e preservação das minorias religiosas no Médio Oriente, em que se destacam os cristãos e também os yasidis.

(PA/Departamento de Informação da Fundação AIS)

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter