Diocese de Aveiro vai ter novo centro de formação para leigos

| 2018-07-11

O novo centro evoca o falecido D. António Marcelino, que foi nomeado coadjutor da diocese em 1980

O bispo de Aveiro anunciou a criação do ‘Centro de Formação D. António Marcelino’, uma Escola de Leigos que tem em “vista a formação de líderes paroquiais ou de movimentos”.

A informação foi adiantada no da celebração de ordenações diaconais, que decorreu no domingo, na Sé de Aveiro.

D. António Moiteiro precisou que a escola arranca já no próximo ano pastoral para “formar agentes” capazes de desempenhar “atividades pastorais e aprofundar os elementos fundamentais da fé cristã”.

O novo centro evoca o falecido D. António Marcelino, que foi nomeado coadjutor da diocese em 1980, tendo sido bispo de Aveiro de 20 de janeiro de 1988 a 21 de setembro de 2006.

D. António Moiteiro revelou ainda que a diocese vai iniciar um novo ciclo de formação para diáconos permanentes, apresentando como qualidades fundamentais dos eventuais candidatos que sejam “cristãos empenhados na paróquia” e que a comunidade cristã “os tenha como tal”.

O diácono permanente, acrescentou, deve ser capaz de criar “comunhão” e de “liderar” a comunidade cristã.

O ministério do diácono permanente, na Igreja Católica, está particularmente destinado às atividades caritativas, a anunciar a Bíblia e a exercer funções litúrgicas, bem como assistir o bispo e o padre nas Missas, administrar o Batismo, presidir a casamentos e exéquias, entre outras funções.

No caso dos candidatos ao diaconado permanente, esta é uma missão para toda a vida, a que podem aceder homens, incluindo os casados, com mais de 35 anos.

O bispo de Aveiro presidiu à ordenação de três diáconos que têm em vista o sacerdócio, pedindo uma “cultura vocacional” em todas as comunidades católicas.

“Vivemos tempos difíceis no anúncio do Evangelho e na proposta que todos somos chamados a fazer em ordem à revitalização das nossas comunidades cristãs. Importa desenvolver uma cultura vocacional onde todos nos sintamos corresponsáveis, porque o futuro da fé deve preocupar não apenas os sacerdotes e os religiosos, mas todo o povo de Deus”, referiu D. António Moiteiro, numa homilia enviada à Agência ECCLESIA.

No final da Missa, o prelado agradeceu às famílias dos novos diáconos e aos seus formadores no seminário.

(Agência Ecclesia/OC)

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter