Mais de 1,5 milhão de fiéis na Procissão do Nazareno Negro

| 2019-01-10

Uma procissão que começa de madrugada e que percorre três quilómetros até chegar a Basílica de Quiapo

Procissão Nazareno Negro

Mais de 1,5 milhão de fiéis participaram, nas ruas de Manila, nas Filipinas, na Procissão do Nazareno Negro que é considerada uma das maiores do mundo.

Esta procissão é uma tradição que se repete desde o século XVII e representa o sofrimento que Jesus experimentou quando percorreu o caminho até ao Monte Calvário.

Ao longo da procissão, a imagem, que é transportada num carro sem rodas, e é puxada pelos fiéis através de cordas. Apesar de ser utilizada uma réplica, a multidão tenta ficar o mais próximo possível da imagem do Cristo Negro.

Uma procissão que começa de madrugada e que percorre três quilómetros até chegar a Basílica de Quiapo, onde está guardada a imagem original que depois fica exposta á veneração dos fiéis durante todo o dia.

No ano de 1606, os missionários Agostinianos Recoletos levaram do México até Manila a imagem do Cristo Negro ajoelhado e carregando a Cruz. A sua fama de milagrosa surgiu após sair intacta de um incêndio que destruiu o navio dos missionários.

A primeira igreja a acolher a imagem milagrosa foi a de Bagumbayan, hoje, Luneta, nas proximidades de Manila. Em 1608 ela foi transferida para a paróquia de São Nicolau Tolentino, onde permaneceu até o ano de 1700. Em seguida, o Arcebispo Dom Basilio Sancho Santas Justa, ordenou a transferência definitiva à igreja de Quiapo, onde ela permanece até os nossos dias.

Em 1650 a Santa Sé reconheceu essa devoção. Na ocasião, o Papa Inocêncio X instituiu canonicamente a Confraria de Jesus Nazareno. No século XIX, o Papa Pio VII concedeu a indulgência plenária aos devotos do Nazareno Negro.

(Gaudium Press/EPC)

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter