PSP lança Operação “Risco Mínimo”

| 2019-02-07

A Polícia de Segurança Pública (PSP) tem vindo a verificar, por parte das pessoas, uma maior aderência a novos tipos de veículos para deslocação, nomeadamente, os velocípedes e as trotinetes com ou sem motor.

Em comunicado enviado à Angelus TV, a PSP adianta que isto é “um fenómeno dos dias de hoje que tem ganho uma maior dimensão com o surgimento de empresas que disponibilizam o aluguer deste tipo de veículos”.

Assim sendo, no dia de hoje, a PSP está a promover ações de fiscalização de trânsito em todo o território nacional “especialmente direcionadas para a fiscalização do cumprimento das disposições legais aplicáveis aos velocípedes e às trotinetes com e sem motor com o objetivo de prevenir e diminuir a sinistralidade rodoviária, assim como combater o sentimento de impunidade e incutir o respeito pelos normativos legais” lê-se na mesma nota.

Na área de responsabilidade da PSP, no que respeita à evolução da sinistralidade rodoviária provocada por esse tipo de veículos (velocípedes e trotinetes) em 2018 verificou-se um ligeiro aumento dos acidentes , mas uma diminuição do número de mortes, feridos graves e feridos ligeiros.

Contudo, em 2018 registaram-se 87 atropelamentos e 849 colisões que provocaram dois mortos e 27 feridos graves e ainda 244 despistes.

Porém, como é previsível que o uso deste tipo de veículos se mantenha e até tenha tendências para crescer, a PSP lançou a Operação “Risco Mínimo” com o objetivo “de prevenir e reduzir a sinistralidade rodoviária, devendo os condutores destes veículos tomar especial atenção para as normas criadas em sua própria proteção”, alerta a PSP na mesma nota.

Assim sendo, os condutores de velocípedes devem transitar pelo lado direito da via de trânsito, conservando das bermas ou passeios uma distância suficiente que permita evitar acidentes. Podem circular pelas vias de trânsito se não existirem pistas especialmente destinadas a velocípedes. A circulação nos passeios, só é permitida desde que o acesso aos prédios o exija e ainda são obrigados a cumprir todos os normativos relativos a circulação, regras e sinais de trânsito.

Partilhe esta notícia

Subscreva a nossa newsletter